Vulcão entra em erupção em ilha indonésia já devastada por terremoto e tsunami

Dólar recua nesta segunda com melhora do cenário externo
1 de outubro de 2018
Governo adia início do horário de verão para 18 de novembro
4 de outubro de 2018

Vulcão entra em erupção em ilha indonésia já devastada por terremoto e tsunami

Nuvem de cinzas é vista depois após o vulcão do Monte Soputan, na Indonésia, entrar em erupção nesta quarta-feira (3)  — Foto: Hetty Andih/AP

A ilha indonésia de Sulawesi, que foi atingida por um forte terremoto seguido de tsunami, enfrenta nesta quarta-feira (3) a erupção do vulcão Sotupan. O número de mortos na catástrofe de sexta-feira (28) subiu para 1.407 e equipes de resgate seguem mobilizadas em busca de sobreviventes.

Ainda não há relato de vítimas do vulcão, que fica a cerca de 600 km de Palu e Donggala, as duas cidades mais devastadas pelo terremoto e pelo tsunami. O vulcão, que é um dos mais ativos da ilha, emitiu uma coluna de fumaça e cinza de 4 mil metros de altura. As autoridades estabeleceram um raio de segurança de 4 km ao redor da cratera.

A atividade do Sotupan coincide com a do Anak Krakatau, localizado no estreito de Sunda, entre as ilhas de Sumatra e Java, que nas últimas semanas registrou dezenas de erupções.

O porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB, sigla em indonésio), Sutopo Purwo Nugroho, afirmou que as autoridades acreditam que o número de vítimas do terremoto e do tsunami seguirá aumentando.

Prédio ficou danificado em meio aos destroços em uma vila de pescadores em Palu, na Indonésia, após região ter sido atingida por terremoto e tsunami — Foto: Adek Berry / AFPPrédio ficou danificado em meio aos destroços em uma vila de pescadores em Palu, na Indonésia, após região ter sido atingida por terremoto e tsunami — Foto: Adek Berry / AFP

Prédio ficou danificado em meio aos destroços em uma vila de pescadores em Palu, na Indonésia, após região ter sido atingida por terremoto e tsunami — Foto: Adek Berry / AFP

O número de feridos graves que estão hospitalizados subiu para 2.549 e o de desaparecidos chega a 113. Além disso, 70.821 pessoas estão em 141 abrigos e as autoridades já contabilizaram 65.733 casas destruídas.

Na sexta-feira (28), uma série de terremotos atingiram a ilha. O mais forte deles, de magnitude 7,5, foi seguido de um tsunami com ondas que chegaram a 6 metros de altura, que devastaram a costa.

A grande maioria das vítimas pertence a Palu, capital da província de Sulawesi e com uma população de aproximadamente 350 mil habitantes. O restante das vítimas é do distrito vizinho de Donggala e de partes de Sigi e Parigi Moutong.

Escombros e carros destruídos em Petobo, Sulawesi — Foto: Cruz Vermelha da Indonésia / via ReutersEscombros e carros destruídos em Petobo, Sulawesi — Foto: Cruz Vermelha da Indonésia / via Reuters

Escombros e carros destruídos em Petobo, Sulawesi — Foto: Cruz Vermelha da Indonésia / via Reuters

Em alguns pontos em Palu, o solo ainda está muito instável. O excesso de água faz com que ele entre em um processo de “liquefação”, formando “ondas” que que destroem imóveis. Um vídeo divulgado pelo porta-voz da BNPB há alguns dias mostra moradores se deslocam em busca de local seguro.

Sistema de alerta

O porta-voz da BNPB afirmou que 63% dos indonésios na região atingida pelo terremoto e pelo tsunami não escutaram as sirenes de alerta de ondas gigantes. E acrescentou 71% da população do país nunca fez uma simulação de resposta a desastres.

O centro de pesquisa alemão que desenvolveu o sistema de alerta indonésio afirmou que ele funcionou corretamente. Para GFZ, houve uma falha na comunicação entre as autoridades locais e as pessoas que estavam na costa.

Anel de Fogo do Pacífico

O terremoto de sexta no país, de magitude 7,5, foi mais potente do que os tremores que deixaram mais de 500 mortos e 1.500 feridos na ilha indonésia de Lombok em agosto passado.

Especialistas afirmam que o terremoto pode ter relação com a atividade vulcânica. Danny Hillman Natawidjaja, um geólogo do Instituto de Ciências da Indonésia, explicou que as ondas sísmicas do terremoto podem ter aumentado a pressão na câmara de magma e provocado a erupção. “Não sabemos ao certo”, disse, segundo a Associated Press.

Já o chefe da agência de Vulcanologia e Geologia de Desastre da Indonésia, Kasbani, observou que houve um aumento na atividade vulcânica desde julho, que foi intensificada na segunda-feira (1º). “Ainda não podemos dizer que há uma ligação direta, já que a montanha está muito distante”, declarou.

A Indonésia, um arquipélago de 17 mil ilhas, está em uma das regiões mais propensas a tremores e atividade vulcânica do mundo: o Círculo de Fogo do Pacífico. Cerca de 7 mil tremores atingem essa área por ano, em sua maioria de magnitude moderada.

A região, de cerca de 40 mil km de extensão, tem formato de ferradura e circunda a bacia do Pacífico, abrangendo toda a costa do continente americano, além de Japão, Filipinas, Indonésia, Nova Zelândia e ilhas do Pacífico Sul.

Em 2004, um tremor de magnitude 9,1, perto da costa noroeste da ilha de Sumatra, gerou um tsunami que matou 230 mil pessoas em 14 países no Oceano Índico.

Mapa mostra como aconteceu o tsunami na Indonésia — Foto: Infografia: Juliane souza e Roberta JaworskiMapa mostra como aconteceu o tsunami na Indonésia — Foto: Infografia: Juliane souza e Roberta Jaworski

Mapa mostra como aconteceu o tsunami na Indonésia — Foto: Infografia: Juliane souza e Roberta Jaworski

 

Fonte: www.g1.globo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vulcão entra em erupção em ilha indonésia já devastada por terremoto e tsunami

A ilha indonésia de Sulawesi, que foi atingida por um forte terremoto seguido de tsunami, enfrenta nesta quarta-feira (3) a erupção do vulcão Sotupan. O número de